Seu futuro em boa companhia!

Perguntas Frequentes

Para que você entenda melhor como usufruir a flexibilidade dos Planos oferecidos pela TELOS, nossos produtos e serviços, preparamos
uma relação com as dúvidas mais frequentes de nossos participantes.

Caso você não encontre a resposta para sua pergunta neste espaço, procure a Central de Atendimento através da seção Fale Conosco.

 

1 – Inscrição – Participante e Beneficiário

1.1 – Quem pode ser participante da TELOS?

Todo o empregado de empresa patrocinadora da TELOS, bem como seus diretores estatutários e conselheiros. A condição para qualquer das categorias é a de que o interessado não esteja em gozo de auxílio doença.

São Patrocinadores da TELOS: CLARO (incorporadora da Embratel), Star One, PrimeSys, TVSAT (CLARO TV), TELMEX do BRASIL , AMERICEL, Instituto NET Claro Embratel e a própria TELOS.

1.2 – Como posso me inscrever na TELOS?

Acessando o Termo de Inscrição no banner TORNE-SE UM PARTICIPANTE disponível na página inicial do site. Você poderá solicitá-lo também na CENTRAL DE ATENDIMENTO TELOS – CAT – pelo e-mail cat@telos.org.br ou pelo 0800 970 6900.

1.3 – Posso me inscrever na TELOS com data retroativa a minha admissão na empresa Patrocinadora?

Não, a data de inscrição na TELOS será sempre a correspondente ao recebimento do Termo de Inscrição pela Fundação.

1.4 – Quantos planos de benefícios a TELOS administra?

Dois. O PCV I – Plano Telos Contribuição Variável I e o PBD – Plano de Benefício Definido, iniciado em agosto de 1975, que não permite novas adesões.

1.5 – Quais as categorias de Participantes do PCV I?

Ativo – Empregados das empresas patrocinadoras da TELOS.

Autopatrocinado – Ex-empregados de empresa patrocinadora que optam pela manutenção das contribuições após o desligamento da empresa.

Vinculado – Ex-empregados de empresa patrocinadora que optam pela vinculação ao plano, sem efetuar contribuições regulares, após o desligamento da empresa.

Assistido – Aposentados ou pensionistas em gozo de benefício de prestação continuada.

1.6 – Explique melhor a opção por um dos Regimes Tributários, exigido quando da inscrição na TELOS.

As contribuições efetuadas para a TELOS, até o limite de 12% da renda bruta anual, ficam isentas da base de incidência do imposto de renda na fonte, mas, quando o participante vai resgatar seu saldo ou receber a aposentadoria, este valor é tributado.

Até 30/12/2004 a única forma de tributação existente era a da Tabela Progressiva, através da qual a alíquota de desconto tem uma relação com o valor resgatado ou recebido a título de benefício. Quanto maior o valor, maior o desconto.

A Lei 11.053 de 30/12/2004 introduziu mais uma opção, que é um Regime Tributário baseado numa Tabela Regressiva. Nele as alíquotas do imposto de renda são decrescentes de acordo com o prazo de acumulação decorrido entre o aporte do recurso no plano e o pagamento do benefício ou do resgate, iniciando em 35% para recursos com prazo de acumulação de até 2 anos e reduzindo até chegar a 10% para prazos superiores a 10 anos. Ou seja, quanto maior o tempo de acumulação do recurso no fundo, menor o imposto.

A Lei 11.053 introduziu também uma mudança para quem optar por se manter no regime da Tabela Progressiva (antigo). Nos casos de resgate do saldo de contribuições, a alíquota aplicada será a de 15%, independente do valor a ser resgatado. Trata-se de um adiantamento e o participante terá que fazer um acerto com a Receita Federal na Declaração de Ajuste Anual, reavendo o que foi pago a mais ou pagando a diferença.

Clique aqui e conheça mais sobre o tema.

ATENçãO: O novo Regime Tributário não se aplica ao Plano de Benefício Definido – PBD.

1.7 – Quem pode ser inscrito como Beneficiário de participante do PCV I?

São considerados como Beneficiários dos Participantes Ativos e Assistidos em Saque Programado o(a) cônjuge, o companheiro(a), os filhos, o adotado legalmente e/ou o enteado. A inclusão de filhos, adotados e enteados maiores de 21 anos no elenco de beneficiários ou a manutenção destes após os 21 anos restringirá o pagamento do Benefício por Morte do Participante a forma de Saque Programado. Não há limite de idade para filho, para o adotado legalmente e para o enteado que seja total e permanentemente inválido. São considerados como Beneficiários dos Participantes Ativos e Assistidos em Renda Mensal Vitalícia o(a) cônjuge, o companheiro(a), os filhos, o adotado legalmente e/ou o enteado menor de 21 anos.

Beneficiário Indicado: poderá ser qualquer pessoa física indicada pelo Participante que, na inexistência de Beneficiário na data de ocorrência do óbito do Participante Ativo ou Assistido, receberá o benefício oferecido pelo Plano.

1.8 – Qual o procedimento para alterar a indicação de beneficiários?

O formulário para Declaração de Beneficiários está disponível na página principal do site, no banner “FORMULÁRIOS”. Você poderá também solicitá-lo à CAT – cat@telos.org.br. Após o preenchimento e assinatura encaminhe o formulário para a Central de Atendimento TELOS.

1.9 – Quem são os beneficiários dos participantes do PBD?

O cônjuge, a companheira(o), os filhos e as filhas solteiras de qualquer condição, menores de 21 anos ou inválidos. Serão considerados como beneficiários os filhos e enteados de ambos os sexos, até 24 anos se estiverem cursando estabelecimento de nível superior.

Na ausência dos beneficiários acima, outros dependentes concorrerão conforme condições estipuladas no Regulamento do Plano de Benefício Definido-PBD.

 

2 – Contribuição

2.1 – Qual o valor mensal da contribuição do Participante para o PCV I?

Para os Participantes inscritos no Plano até 31 de outubro de 2014, o percentual de Contribuição Normal mínimo é de 1%. Para este grupo, a empresa Patrocinadora contribuirá com 100% da contribuição escolhida, limitada a 8%.

Para os Participantes inscritos no PCV-I a partir de 1º de novembro de 2014, as Contribuições Normais estão relacionadas às faixas salariais, a saber:

Os Participantes na Faixa Salarial 1 podem efetuar Contribuições Adicionais do Participante, sem a contrapartida do Patrocinador.

As Contribuições Adicionais realizadas pelos Participantes, de qualquer faixa salarial, poderão ser mensais ou esporádicas, sem contrapartida do Patrocinador. Quando houver opção pela contribuição mensal, ela poderá, por solicitação do Participante Ativo, ser descontada em folha de pagamento.

Ressaltamos que contribuições mensais de até 12% são deduzidas da base de incidência do Imposto de Renda na fonte.

2.2 – O que é Salário Aplicável?

É o salário nominal pago pela empresa Patrocinadora e corresponde à soma das parcelas fixas da remuneração.

2.3 – Como proceder para efetuar Contribuições Adicionais Especiais?

Basta solicitar à CAT por telefone, e-mail (cat@telos.org.br) ou de forma presencial, os dados e código para depósito identificado específico para este recolhimento.

2.4 – Posso alterar minha contribuição a qualquer tempo?

O percentual de CONTRIBUIçãO NORMAL pode ser alterado uma vez ao ano, dentro do período estabelecido pela Diretoria Executiva da TELOS e terá vigência a partir do 1º de janeiro do ano seguinte.

Exclusivamente para fins de redução do percentual da CONTRIBUIÇÃO NORMAL ou para alteração da contribuição ADICIONAL REGULAR a mudança ocorrerá a partir do mês subsequente ao do pedido.

2.5 – Posso alterar meu Salário Aplicável, para fins da contribuição para o PCV I?

O salário aplicável do Participante Autopatrocinado poderá ser alterado a qualquer momento, com vigência a partir do 1º dia do quadrimestre seguinte ao da data do requerimento. No caso dos participantes Ativos o Salário Aplicável será a soma das parcelas fixas da remuneração paga pela empresa Patrocinadora.

2.6 – A Patrocinadora contribuirá para o PCV-I enquanto o participante mantiver sua contribuição?

O Patrocinador cessará suas contribuições a partir do mês em que o Participante se tornar elegível ao benefício de Aposentadoria Normal, mas o interessado poderá manter as suas contribuições para o Plano.

Para os inscritos no PCV-I a partir de 1º de novembro de 2014, a Contribuição Normal da Patrocinadora tem relação direta com a faixa salarial do Participante, a saber:

Para os Participantes Ativos enquadrados na Faixa Salarial 1 não há contribuição mensal do Patrocinador (vide tabela acima).

Caso o participante opte pela suspensão temporária das contribuições, as efetuadas pelo Patrocinador estarão automaticamente suspensas.

2.7 – Ao sair da empresa Patrocinadora, o participante pode continuar contribuindo para a TELOS?

Sim, ele passa para a condição de Participante Autopatrocinado. Este e outros Institutos previstos no Regulamento dos Planos para os casos de desligamento do patrocinador estão no item 4.

2.8 – Qual o valor da contribuição do Participante Autopatrocinado?

A alíquota da Contribuição Normal do autopatrocinado será de, no mínimo, 2% (dois por cento) sobre o Salário Aplicável, sendo 1% (um por cento) referente a sua contribuição Normal de Patrocinador e poderá ser alterada periodicamente, conforme prazos estabelecidos pela Diretoria-Executiva da TELOS.

O participante Autopatrocinado assumirá também o pagamento da taxa de administração previdencial e a relativa à cobertura de benefícios de risco.

2.9 – Qual o valor das taxas de administração e para cobertura de benefícios de riscos?

O valor da taxa de administração é definido anualmente no Plano de Custeio aprovado pelo Conselho Deliberativo. Para saber o percentual referente este ano, consulte a CAT – cat@telos.org.br.

No âmbito dos planos de previdência é comum a cobrança de dois tipos de taxas. Uma incidente sobre as contribuições ou depósitos mensais, também conhecida como taxa de carregamento. A TELOS não cobra este tipo de taxa e nas entidades abertas ela pode variar entre 0 e 4%.

Outra taxa usual é aquela incidente sobre as reservas constituídas, ou saldo de conta. Na TELOS esta taxa, já deduzida da cota dos fundos, atualmente é de 0,260% e nas entidade abertas varia entre 1 e 4%.

2.10 – Qual a destinação da Taxa para Cobertura de Benefícios de Risco?

Custear o Saldo de Conta Projetada, conforme explicado na pergunta 3.8.

2.11 – Posso suspender as minhas contribuições para o Plano a qualquer tempo?

Os participantes do PCV I poderão suspender suas contribuições por período máximo de dois anos, sendo que o intervalo entre uma suspensão e outra deverá ser de, no mínimo, seis meses. Os participantes do PBD não podem suspender contribuições.

2.12 – Como proceder para suspender as contribuições para o PCV I?

Solicite à CAT o formulário correspondente que, após preenchimento, deverá ser devolvido para o mesmo órgão, pelo malote ou correio.

2.13 – A suspensão de contribuições para o PCV I provoca alguma consequência em relação aos benefícios?

Naturalmente, as ausências de contribuições individuais e do patrocinador, no período da suspensão, proporcionarão um benefício menor no futuro. Outra informação relevante relacionada à suspensão é que o tempo de contribuição é uma das carências para a obtenção de benefícios. Se a interrupção ocorrer nos primeiros 5 anos, o tempo para cumprimento desta carência também é interrompido, retornando a contagem assim que as contribuições são restabelecidas.

2.14 – A Patrocinadora contribuirá para o PBD enquanto o Participante mantiver sua contribuição?

No PBD o Patrocinador manterá as contribuições até a data de desligamento do seu empregado, não estando previsto no Regulamento a possibilidade de suspensão de contribuições do Participante.

 

3 – Benefícios

3.1 – Quais são os benefícios previdenciários oferecidos pelos planos de Benefícios da TELOS?

Para os participantes do PCV I:

1.. Aposentadoria Normal
2.. Aposentadoria Antecipada
3.. Benefício por Incapacidade
4.. Benefício por morte

Para os participantes do PBD:

Complementação de Aposentadoria por Tempo de Contribuição
Complementação de Aposentadoria por Invalidez
Complementação de Aposentadoria Especial
Complementação de Aposentadoria por Idade
Complementação de Aposentadoria do Ex-combatente
Complementação de Auxílio-Reclusão
Complementação da Pensão por morte

Renda Mensal Vitalícia
Pensão da Renda Mensal Vitalícia
Pecúlio Aposentadoria
Pecúlio por Morte ou Complementar

3.2 – Quais as condições para se obter a aposentadoria antecipada?

O participante do PCV I será elegível a uma aposentadoria antecipada quando preencher, concomitantemente, as seguintes condições:

– 50 anos de idade
– 5 anos de contribuição para o Plano
– estar desligado do Patrocinador.

Os participantes que migraram do PBD poderão se aposentar na data prevista para aposentadoria naquele plano, caso seja inferior à definida pelo Regulamento do PCV I.

3.3 – Quais as carências para fazer jus a uma aposentadoria normal no PCV I?

A elegibilidade a aposentadoria normal começa na data em que o participante preencher, concomitantemente, as seguintes condições:
– 55 anos de idade
– 5 anos de contribuição para o plano, e
– estar desligado do Patrocinador. Os participantes que migraram do PBD poderão se aposentar na data prevista para aposentadoria naquele plano, caso seja inferior à definida pelo Regulamento do PCV I.

3.4 – Qual o procedimento para requerer o benefício de aposentadoria?

No caso do PCV I, leia o item requerimento de aposentadoria disponível no banner “Aposentadoria e Pensão”, na página inicial deste site, imprima, preencha e assine os documentos necessários ou solicite à CAT- cat@telos.org.br, os formulários correspondentes.

3.5 – Quais os documentos necessários para se requerer um benefício de aposentadoria?

PCV I – os básicos são cópia da Rescisão do Contrato de Trabalho da Patrocinadora homologada, cópias autenticadas da carteira de identidade, do CPF, da Certidão de Casamento atualizada a menos de 1 ano ou Nascimento (se solteiro) e da Certidão de Nascimento dos filhos, caso tenha optado pela pensão por morte para os mesmos, e um comprovante de conta bancária de titularidade do Participante.

No banner aposentadoria e pensão você sabe tudo sobre o tema!

PBD – Além dos documentos relacionados acima para aposentadoria pelo PCV I, enviar todos os documentos comprobatórios de tempo de serviço apresentados ao INSS e cópia da Carta de Concessão de Aposentadoria emitida pelo INSS.

Para aposentadoria por incapacidade será necessário apresentação da Carta de Concessão de Aposentadoria por Invalidez emitida pelo INSS ou alternativamente por outro órgão público e por um clínico credenciado pela TELOS. Se a incapacidade não for atestada pelo INSS o participante deverá se submeter à perícia médica.

3.6 – Quais as formas de pagamento dos benefícios de aposentadoria no PCV I?

Pagamento à vista de até 20% do Saldo de Conta Total e o restante sob a forma de Renda Mensal. A Renda mensal poderá ser:

Vitalícia – Com valor mensal estipulado pela Telos, reajustado anualmente pela variação do IGP-DI ou pela Rentabilidade do Fundo, a critério do participante.

Saque Programado – Renda não vitalícia cujo valor mensal corresponde a um percentual de 0,3% a 2% do saldo total da conta, que pode ser redefinido a cada seis meses (vide calendário próprio da TELOS disponível na sala do Participante) pelo participante. Este benefício será mantido enquanto existir saldo na conta do participante.

Renda Vitalícia e Saque Programado – O benefício contempla ambas as formas de pagamento: Renda Vitalícia + Saque Programado. O percentual do Saldo de Conta a ser utilizado em cada modalidade deverá ser definido pelo Participante no requerimento da aposentadoria.

3.7 – Qual a base de cálculo do benefício de incapacidade no PCV I?

Será o Saldo da Conta Total do Participante acrescido do Saldo da Conta Projetada e de Recursos Portados se for o caso.

3.8 – O que é o Saldo de Conta Projetada do PCV I?

Corresponde à soma das contribuições normais que seriam efetuadas pelo Patrocinador, desde o mês da morte ou incapacidade do participante ativo ou autopatrocinado, até a data em que o mesmo completaria a idade prevista para elegibilidade a uma aposentadoria normal. Os Participantes Vinculados não contribuem para a formação do Saldo da Conta Projetada, por este motivo não tem direito a esta parcela.

3.9 – No caso de falecimento do participante aposentado pelo PCV I o que acontece com o saldo depositado na Telos?

Dependerá da opção exercida pelo participante no momento da aposentadoria. Se o participante optou por uma Renda Mensal Vitalícia e pela reversão da aposentadoria em pensão, o cônjuge ou companheira receberá um benefício por morte que será vitalício. No caso de filhos o benefício será pago até os 21 anos. Se, no momento da aposentadoria, o participante optou por não deixar pensão por morte, o benefício se encerra na data do óbito do mesmo.

Caso o participante esteja recebendo a aposentadoria sob a forma de Saque Programado (conforme pergunta 3.6) e, na data do óbito exista saldo na conta, os Beneficiários poderão escolher a forma de recebimento do benefício por morte: Renda Mensal Vitalícia, Saque Programado ou pagamento único, todos calculados com base no saldo remanescente. É; importante observar, no entanto, que se entre os beneficiários houver filhos e/ou enteados maiores de 21 anos, caberá ao grupo de beneficiários, exclusivamente, o recebimento do Benefício por Morte na forma de Saque Programado, perdendo assim o direito a opção pelo recebimento na forma de renda vitalícia.

Se o benefício do participante contemplar ambas as formas de recebimento – Renda Vitalícia e Saque Programado, o benefício por morte será pago aos beneficiários conforme critérios definidos no regulamento PCV I para cada modalidade.

3.10 – Qual será o valor da pensão por morte no PCV I, caso ocorra o falecimento do participante ativo?

Os Beneficiários farão jus a um benefício de pensão mensal calculado sobre 100% do Saldo da Conta Total do Participante, acrescido do Saldo da Conta Projetada (vide pergunta 3.8) e dos recursos portados, se for o caso. Inexistindo Beneficiário, o Beneficiário Indicado receberá um benefício de prestação única correspondente ao Saldo da Conta de Contribuição do Participante (contribuições individuais do participante).

3.11 – Qual será o valor da pensão por morte no PCV I quando ocorrer o falecimento do participante aposentado?

Caso o participante, no momento da aposentadoria, esteja recebendo uma renda mensal vitalícia (vide pergunta 3.6) e tenha optado por benefício por morte para seus Beneficiários, estes receberão uma pensão sob a forma de renda mensal correspondente a 60% (sessenta por cento) do benefício que o aposentado vinha recebendo. Inexistindo Beneficiário, o Beneficiário Indicado inscrito como tal no momento do requerimento da aposentadoria, receberá um benefício de prestação única correspondente a 10 vezes o benefício que o aposentado vinha recebendo.

Os Beneficiários ou Beneficiários Indicados do aposentado pelo PCV I, que não fez a opção pelo Benefício por morte, não terão direito a qualquer benefício previsto neste Plano.

Caso, na data do óbito, o participante esteja recebendo o Saque Programado, o valor do Benefício por Morte dependerá do saldo remanescente na conta e da forma de recebimento escolhida pelos Beneficiários. Inexistindo Beneficiário, o Beneficiário Indicado inscrito como tal no momento do requerimento da aposentadoria, receberá o saldo remanescente na conta, se houver.

Caso o participante receba um benefício que contemple Renda Vitalícia e Saque Programado, o benefício por morte será pago aos beneficiários conforme critérios definidos para cada modalidade.

3.12 – Qual a forma de pagamento do benefício de pensão?

1. Renda Mensal, com possibilidade de pagamento de parcela à vista, de até 20%, caso o participante tenha falecido em atividade. A Renda mensal poderá ser vitalícia ou na forma de Saque Programado:
– Vitalícia – Com valor mensal estipulado pela Telos, reajustado anualmente pela variação do IGP-DI ou pela Rentabilidade do Fundo, a critério do beneficiário da pensão.
– Saque Programado – Renda não vitalícia cujo valor mensal corresponde a um percentual do saldo de conta do participante ativo ou do saldo remanescente após o falecimento do aposentado. Este benefício será mantido enquanto existir saldo na conta do participante.

2. Pagamento único – Esta forma será autorizada somente para os Beneficiários dos participantes aposentados em Saque Programado.

3.13 – Quais as formas de reajuste do benefício de aposentadoria PCV I?

Ao requerer o benefício de aposentadoria em Renda Mensal Vitalícia no PCV I, o Participante escolhe se seu benefício será reajustado pela variação do IGP-DI ou pela Rentabilidade da conta coletiva PCV I, deduzida da taxa de juros utilizada no cálculo inicial do benefício de aposentadoria ou benefício por morte.

3.14 – A opção pela forma de reajuste do benefício de aposentadoria PCV I pode ser alterada?

O Participante que optou pelo reajuste baseado na variação do IGP-DI pode, mesmo depois de estar recebendo sua aposentadoria, trocar para forma de reajuste baseada na Rentabilidade da Conta Coletiva do PCV I. A opção pela Rentabilidade não poderá ser alterada.

3.15 – Posso suspender o recebimento do pagamento do meu benefício em Saque Programado a qualquer tempo?

Os Assistidos em Saque Programado poderão suspender o recebimento do pagamento por um período máximo de dois anos, sendo que o intervalo entre uma suspensão e outra deverá ser de, no mínimo, 6 meses. Os pedidos de suspensão requeridos até o dia 15 de cada mês irão vigorar a partir do mês do requerimento. Os recebidos entre o 16º e o último dia do mês passam a vigorar no mês seguinte ao do requerimento.

A reativação poderá ocorrer a qualquer tempo, a pedido do assistido. Os pedidos de reativação requeridos até o dia 15 de cada mês irão vigorar a partir do mês do requerimento. Os recebidos entre o 16º e o último dia do mês passam a vigorar no mês seguinte ao do requerimento.

 

4 – Desligamento/Cancelamento/Resgate/Portabilidade

4.1 – Como proceder no caso de demissão?

A TELOS enviará para o participante desligado, num prazo de 30 dias a contar do recebimento da comunicação da cessação do vínculo empregatício, um Extrato com todas as opções previstas no Regulamento.

4.2 – Quais as alternativas para o participante no caso de ocorrência do término de vínculo empregatício com a empresa Patrocinadora?

Para os inscritos no PCV-I, as alternativas são:

Requerer um benefício, caso seja elegível a uma aposentadoria normal ou antecipada ou optar por um dos seguintes Institutos:

Autopatrocínio – O participante nessa situação fica responsável pelo pagamento mensal das suas contribuições, bem como das contribuições do Patrocinador, incluindo a contribuição para o Saldo de Conta Projetada e taxa para cobertura de despesa administrativa previdencial (vide perguntas 2.8 e 2.9).

Importante: O Participante Ativo na faixa salarial 1 que vier a se tornar Autopatrocinado não fará jus à Contribuição Normal de Patrocinador equivalente a 5 salários.

Benefício Proporcional Diferido – Se o participante não for elegível a uma aposentadoria normal e contar com no mínimo três anos de contribuição, poderá manter sua vinculação ao PCV I, sem efetuar contribuições para o Plano, pagando apenas a taxa para cobertura de despesa administrativa, até completar as condições para o requerimento de uma Aposentadoria Normal. Nesta situação existe a possibilidade de efetuar CONTRIBUIÇÕES EVENTUAIS para o Plano.

Resgate – Requerer o saldo de sua conta, composto de 100% das contribuições individuais e parte das contribuições efetuadas pelo Patrocinador (vide tabela na resposta à pergunta 4.4).

Portabilidade – O participante com no mínimo três anos de contribuição para o PCV I poderá transferir seu saldo de contribuições e um percentual das contribuições efetuados pelo Patrocinador, para entidade autorizada a operar plano de previdência.

Para os participantes inscritos no PBD, as opções são:

Requerer um benefício, se elegível a uma aposentadoria, ou optar por um dos seguintes Institutos:

Autopatrocínio – O participante nessa situação fica responsável pelo pagamento mensal das suas contribuições, bem como das contribuições e taxas devidas pelo Patrocinador.

Benefício Proporcional Diferido – Se o participante não for elegível a uma aposentadoria normal, poderá manter sua vinculação ao PBD, sem efetuar contribuições para o Plano, pagando apenas as contribuições destinadas ao custeio administrativo, até completar as condições para o requerimento à Complementação de Aposentadoria.

Resgate – Requerer sua Reserva de Poupança, composta de 100% das contribuições individuais.

Portabilidade – O participante poderá transferir seu saldo de contribuições individuais para outra entidade autorizada a operar plano de previdência. Os recursos estarão isentos do desconto de Imposto de Renda na Fonte, mas não poderão ser resgatados no novo Plano. Os recursos portados deverão ser revertidos em renda mensal por período mínimo de 15 anos.

4.3 – Quais as condições para resgatar o Saldo de Contribuições ou a Reserva de Poupança?

Estar desligado do Patrocinador e solicitar o desligamento da TELOS.

4.4 – Qual o valor do resgate no PCV I?

100% da soma das contribuições individuais corrigidas e um percentual das contribuições efetuadas pelo patrocinador também corrigidas. O percentual das contribuições do Patrocinador obedece à seguinte tabela:

0 a 2 anos e 11 meses de contribuição – …..0%
3 anos de contribuição – …………………….. 15%
4 anos de contribuição – …………………….. 20%
5 anos de contribuição – …………………….. 25%
6 anos de contribuição – …………………….. 30%
7 anos de contribuição – …………………….. 35%
8 anos de contribuição – …………………….. 40%
9 anos de contribuição – …………………….. 45%
10 anos de contribuição em diante – ……….50%

4.5 – Qual o valor do Resgate no PBD?

Totalidade das contribuições individuais, denominada Reserva de Poupança.

5 – Empréstimo

5.1 – Qual a modalidade de empréstimo concedido pela TELOS e quais os encargos financeiros?

A modalidade atualmente disponível é a de Empréstimo Simples. O saldo devedor é corrigido diariamente pela variação do IGP-M do mês anterior, acrescido de 7% de juros ao ano. Incidem ainda sobre o montante solicitado, uma taxa de administração de 1,5% ao mês. O mutuário é responsável também pelo pagamento de contribuição mensal ao FGE – Fundo Garantidor de Empréstimo.

5.2 – Quais são as condições para requerimento de empréstimos?

>Ser participante ativo, autopatrocinado ou assistido do PBD ou PCV I, exceto de caráter temporário
>Ter no mínimo 3 meses de contribuição para a TELOS e
> Dispor de margem consignável para o desconto da prestação.

5.3 – Qual o prazo de concessão de empréstimos?

Os prazos são: 12 (doze), 18 (dezoito), 24 (vinte e quatro) e 36 (trinta e seis) meses.

5.4 – Qual é a finalidade do pagamento de contribuição mensal ao FGE – Fundo garantidor de Empréstimo?

O pagamento de Contribuição mensal ao FGE – Fundo Garantidor do Empréstimo visa garantir o recebimento do valor emprestado, protegendo os recursos da inadimplência por motivo de falecimento ou invalidez permanente total por acidente. A ausência desse tipo de garantia exporia o patrimônio dos Participantes a perdas elevadas decorrentes da falta de quitação, inviabilizando assim esse tipo de empréstimos. O FGE, além de propiciar a segurança necessária tem custo baixo. Esta alternativa vem contribuindo para que a TELOS possa manter a concessão de empréstimos com taxas significativamente menores que as praticadas pelo mercado financeiro em geral.

5.5 – Há valor mínimo para concessão de empréstimo simples?

Sim, o menor valor concedido é de 1 (um) salário mínimo.

5.6 – Nos casos de renovação do empréstimo simples, o pagamento da primeira prestação será sempre no mês subsequente ao do requerimento?

O pagamento da prestação relativa à renovação sim, mas, se ocorrer da antiga prestação ainda ser descontada no mês da renovação, (em função da data em que a renovação estiver sendo solicitada) tal valor será utilizado para amortização no novo empréstimo contratado.

5.7 – É possível solicitar um empréstimo sem que tenha sido paga prestações do anterior?

Não. Para renovar o crédito é necessário cumprir o prazo de amortização do contrato – que tem relação direta com a quantidade de parcelas pagas.

RENOVAçãO
PRAZO/MESES

TABELA NORMAL A partir de

TABELA DIFERENCIADA (PENALIDADE) A partir de

12 3 (três ) prestações pagas 6 (seis) prestações pagas
18 4 (quatro) prestações pagas 8 (oito) prestações pagas
24 5 (cinco) prestações pagas 10 (dez) prestações pagas
36 6 (seis) prestações pagas 12 (doze) prestações pagas

5.8 – Quando e como a prestação é reajustada?

É reajusta a cada 12 meses pelo IGP-M acumulado no período.

5.9 – Como é realizada a atualização do saldo devedor?

O saldo devedor é corrigido diariamente, incidindo sobre este taxa de 7% a.a., transformado em taxa efetiva diária, acrescido da variação do IGP-M do mês anterior pró rata dia.

5.10 – De que maneiras são efetuados os pagamentos das prestações?

O Participante ativo ou assistido sofrerá desconto em folha de pagamento. Os AutoPatrocinados efetuarão o pagamento através de boleto bancário, previamente remetido para a residência.
Se eventualmente o boleto bancário não for recebido em tempo hábil para pagamento até a data do vencimento, ou, se por qualquer motivo a prestação não for descontada do salário ou do benefício, o Participante se obriga a efetuar o pagamento da prestação através de depósito bancário, conforme instruções que deverão ser obtidas na Central de Atendimento TELOS – CAT. Assim como nas situações em que o desconto em folha de pagamento for menor que o valor da prestação, por não haver saldo líquido, neste caso o Participante também deverá efetuar o pagamento da diferença do valor da prestação através de Depósito Identificado.

5.11 – No caso de não pagamento da prestação, o mutuário estará sujeito a qual forma de cobrança?

Se por qualquer motivo for omitido ou suspenso o desconto em folha de pagamento de uma prestação do mutuário, este se obriga a pagar o valor da prestação através de depósito bancário em nome da TELOS, conforme orientação da Central de Atendimento.
O não pagamento da prestação fará com que a mesma seja incorporada ao saldo devedor e a cobrança de uma taxa de permanência diária, mais multa de 2%, aplicada sobre o valor da prestação ou prestações atrasadas. O Participante é notificado a quitar seu débito, sob pena de vencimento antecipado de toda a dívida e posterior cobrança administrativa e judicial.

5.12 – É permitida a suspensão de prestações descontadas em folha de pagamento?

Não.

5.13 – Posso liquidar ou amortizar parcialmente o empréstimo?

Sim, a liquidação ou amortização poderá ser efetuada antes mesmo do pagamento da primeira prestação. Sobre o valor da liquidação ou amortização parcial será cobrado 1,5% referente a taxa de administração.

5.14 – Na quitação antecipada do empréstimo existe algum desconto?

Não.

5.15 – Posso liquidar o empréstimo com meu saldo de conta do PCV I?

Não. O montante disponível no saldo de conta é destinado ao pagamento futuro de uma aposentadoria. O Participante desligado da empresa patrocinadora que desejar se desligar da TELOS, poderá requerer o resgate das contribuições e, neste caso, será descontado do saldo de conta o montante devedor relativo ao empréstimo.

5.16 – Como proceder para efetuar uma amortização ou quitação antecipada do saldo devedor?

A liquidação ou amortização poderá ser efetuada através de depósito bancário identificado. Para obter as informações necessárias para o depósito, acesse a ÁREA EXCLUSIVA, módulo Empréstimo, Amortização/Liquidação. Selecione a Operação (Liquidação ou Amortização) e clique em OK. Depois, informe o valor de amortização. Uma dica: em caso de liquidação, o sistema informará o valor, clique em CONFIRMAR. O sistema informará os dados bancários e o código de identificação para o depósito.

5.17 – O participante com contribuição suspensa pode adquirir empréstimo?

Não. Durante o período em que as contribuições para o PCV I estiverem suspensas, o participante não poderá contrair novo empréstimo.

5.18 – A concessão de empréstimo é um dos benefícios oferecidos aos participantes da TELOS?

A concessão de empréstimo a participantes não é um benefício e sim, uma das alternativas de investimentos dos recursos dos participantes permitida pela PREVIC.

Por se tratar de um investimento a concessão de empréstimos precisa obedecer a critérios mínimos de rentabilidade e estar cercada de toda a segurança possível, pois se tratam de recursos que pertencem aos participantes, inclusive daqueles que nunca fizeram ou farão uso de empréstimos.

5.19 – As taxas praticadas pela TELOS são menores que as dos empréstimos consignados?

Sim. A taxa média praticada pelo mercado é monitorada mensalmente por nossa equipe financeira e é de fácil verificação que são maiores do que as taxas da TELOS.

 

6 – Investimentos

6.1 – Quais os Gestores escolhidos pela TELOS para a administração dos recursos dos participantes do PCV I?

Atualmente, para gestão de recursos em Renda Fixa Baixo Risco, os gestores são:
– TELOS RF BAIXO RISCO I – WESTERN ASSET MANAGEMENT COMPANY DTVM
– TELOS RF BAIXO RISCO II – BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

Para gestão de recursos em Renda Fixa Médio Risco:
– TELOS RF MÉDIO RISCO – WESTERN ASSET MANAGEMENT COMPANY DTVM

Para gestão dos recursos em Renda Variável:
– TELOS IBrX-50 – ITAÚ UNIBANCO

6.2 – Os recursos dos participantes aposentados também são administrados por terceiros?

Para os Assistidos que fizeram opção em Renda Mensal Vitalícia, a administração dos recursos é realizada pela TELOS.
O Assistido que optou pela renda mensal em Saque Programado tem o seu saldo de conta atualizado pela rentabilidade da carteira de investimentos escolhida pelo próprio.

Além dos mesmos fundos e gestores que administram os recursos dos participantes ativos, os assistidos em Saque Programado podem optar também pelo fundo TELOS RENDA FIXA MEDIO RISCO LONGO PRAZO, cujo gestor é a TELOS.

6.3 – Quanto dos recursos individuais podem ser aplicados em Renda Variável?

O participante pode optar pela alocação de até 60% de seus recursos em renda variável e o restante em renda fixa. Entretanto, para participantes próximos à aposentadoria, o limite de alocação em renda variável é reduzido :

– até 2 anos da aposentadoria antecipada – máximo de 20% em Renda Variável
– até 5 anos da aposentadoria normal ou aposentado em Saque Programado – máximo de 10% em RV.

6.4 – Como é feita a seleção destes Bancos pela TELOS?

A TELOS procura sempre os melhores administradores de recursos no mercado, avaliando aspectos como solidez, segurança e performance. Busca-se taxas competitivas, favorecendo, dessa forma, os próprios participantes.

6.5 – Há garantia mínima de rentabilidade nos fundos disponibilizados pela TELOS?

Não há garantia mínima de rentabilidade oferecida pela TELOS ou pelos gestores. Porém, a TELOS efetua permanente acompanhamento da performance desses gestores e, caso algum deles venha a apresentar resultados financeiros abaixo dos esperado ou exposição a risco acima da tolerância, essa instituição pode ser substituída, como já aconteceu. Dessa forma, num ambiente competitivo, as instituições procurarão sempre o melhor resultado.

6.6 – Quando o Participante pode redefinir suas escolhas?

Semestralmente, em período definido no Calendário de Eventos disponível na “Sala do Participante” deste site.

6.7 – Como posso acompanhar o desempenho do gestor escolhido?

Através do botão INVESTIMENTOS do site você pode obter todas as informações sobre os investimentos de cada Plano de Benefícios. No relatório “Rentabilidade dos Perfis de Investimentos do PCV I” você acompanha a rentabilidade obtida pelo gestor de recursos escolhido por você. Veja aqui.

6.8 – Existem vantagens adicionais oferecidas pelas instituições, tais como conta-corrente especial, cartão de crédito etc?

Não existem quaisquer vantagens além daquelas obtidas para todos os participantes.